sábado, agosto 28, 2010

Nanda 2010


Gente... Vim aqui falar um pouco sobre mim. As mudanças que tive na minha vida. Se é que isso importa pra alguém, mas é minha forma de desabafar as rejeições que sofro de algumas pessoas próximas.

Quem me conheceu Nanda 2003 mais ou menos, eu era uma moleca, irresponsável, que levava a faculdade com a barriga, que tinha sonhos, mas não pensava muito no futuro, pq queria só curtir...

E eu curti. Se eu me arrependo? Não. Eu curti muito! Me arrependo de ter levado a faculdade com a barriga, isso me arrependo. Hoje acredito que eu aproveitaria muito mais! Nessa época, eu namorava o Ric à distância. Saía muito com as amigas, bebia muito pra conseguir "socializar" mais. Enfim...

Desde pequena tive um sonho. Meu sonho SEMPRE SEMPRE SEMPRE foi ser mãe e ter uma família. Tanto que curti minhas sobrinhas como se fossem minhas filhas. Acompanhei a gravidez de minha amiga Grá do início ao fim! Parecia até que eu era o pai! kkkk Curti cada minuto dessas 3 meninas, quase como se fossem minhas!

Meus valores mudaram quando o Ric mudou pra cá! Criei responsabilidade, pq com a mudança dele, eu começaria a correr atrás de meus sonhos. Trabalhei mais, saí bem menos... Parei de beber, coisa que eu bebia todos os finais de semana e diminuí pra 4, 5 vezes ao ano. Isso pq o Ric não é de beber, não gostava de me ver bêbada e eu me toquei que realmente, era uma mala sem alça bebendo pra "socializar", acabava mais escandalizando do que socializando rsrs. Apesar de que olha... Adoro tomar cerveja com amigos, mas não da maneira "vou ficar bêbada e fazer merda" como era antes.

Enfim. As amigas reclamaram, sentiram falta... O Ric até ia de vez em quando na minha, mas acabei eu mesma desistindo dessa vida de balada... Fora que trabalhando, eu via que desperdiçava muito dinheiro com futilidades.

Eu queria me casar, ter minha casa, engravidar... Não dava, né? Era uma mudança de momento.. E olha que enfrentei até terapia pra enfrentar a mudança! rsrs...

E aí em 2004 me casei... Em 2006 engravidei e tive a Sophia em 2007. Minha vida já não era lá mais tão baladeira... Parei de sair de vez. Desde que ela nasceu, da pra contar nos dedos as vezes que saímos a noite. Mas aí me vem um monte de gente, que me conhece desde antes, fazer aquele discurso de que eu preciso sair, preciso desgrudar da Sophia, preciso não sei que lá...

Não. Eu não preciso. Eu sinto falta sim, de bebericar algo com minhas amigas... Mas não sou apenas eu que me afastei não... como diz o Carpinejar, Quando a gente vira mãe, os amigos se afastam. Uns pra não incomodar, outros para não serem incomodados. Esses dias tentei me reunir com as amigas e só uma delas foi, de 5 combinadas, a Josi. Uma tinha que ficar com marido, outro recebeu visita repentina, outra não explicou e outra ficou com preguiça! Fora as amigas que foram embora ou já moravam longe...

Entramos em momentos diferentes. Tenho amigos que saem e tem filhos, como a Grá... Mas ela tem com quem deixar a Duda desde pequenina. Minha irmã tinha a sogra, minha mãe ainda não tomava remédios, tinha eu... enfim... Cada um tem sua vida e sua família... Alguns com sorte de ter alguém pra cuidar e outros, como eu, não.

Eu não tenho dinheiro pra babá. Minha mãe toma remédio pra dormir, minha irmã não é uma tia "amo crianças" como eu fui (que ficava com as meninas pra ela). Meus sogros não moram em Maringá. Enfim. Mas eu já sabia de tudo isso que eu enfrentaria desde o momento em que cheguei no Dr. Marcelo e disse: vamos começar o tratamento para engravidar.

Sabia de todos os prós e contras. E, gente, o principal... A Sophia é o meu sonho realizado... Eu to curtindo esse sonho cada minuto de minha vida. Pq filhos crescem e eu vou sentir mais falta de estar com ela do que da época que eu ia pra balada!

Eu posso ser chamada de chata e careta. E sei que, por trás, sou chamada sim. Estou tão dentro do mundo da Sophia e do Ric, que curto tudo com intensidade. Meus assuntos preferidos são criança e família. Pq sempre gostei desse tipo de coisa. Aos 15, dizia que queria ser professora de pré-escola. Não fui pq achei que o salário seria baixo... Uma vez fiz serviço comunitário em uma creche, pq escolhi uma creche. Enfim. Essa sou eu. Eu amo crianças. Eu quero trabalhar com crianças. É meu sonho. É a minha realidade.

Minha filha é meu sonho realizado e é a minha criança. Pensa??? Eu amo criança e amo minha filha... Então é mais amor ainda! hahaha

Tem gente que não me aceita assim. Mas eu não me importo, pq eu me aceito. Ric me aceita. Sophia me aceita... Essa sou eu. Talvez aquela Fernanda de 2003, era a Fernanda mais fake. A Fernanda que precisava beber pra estar feliz. A Fernanda que não tinha nenhum compromisso com ela mesma. Que vivia chorando pelos cantos...

Estou feliz. Sou feliz. Poderia estar melhor? Sim. Poderia dividir isso mais vezes com mais amigos. Mas alguns moram longe, outros estão em outro momento... Os que divido tem sido os amigos mais atuais, que me conheceram versão 2004 pra frente e me aceitaram exatamente como sou! E não preciso deixar a Sophia com babá nem com ninguém, pq eles dão um jeitinho de vir aqui em casa ou saímos e levamos ela... Alguns trabalham muito, como a Josi, mas sempre dá um jeito de vir me ver. Enfim, entendo cada um dos amigos. Mas tem uns que se dedicam menos à nossa amizade, simplesmente pq não aceitam minha realidade. E aí eu lamento.

Logo ela cresce. E aí talvez eu socialize mais.

Enfim... Essa sou eu. Me ama? (giria lubrasileira)


Um comentário:

Crisminiaturas disse...

Não era uma Fernanda fake...Era uma outra versão de você mais imatura, só isso.
Algumas pessoas não aceitam que a gente cresça!
Essas pessoas desejam que fiquemos na mesma pra sempre, mas nem todo mundo nasce pra "bibelô", pra ficar de enfeite ma prateleira de alguém...
Crescer, amadurecer e se encontrar se adequar á outra realidade é um processo dolorido, mas temos sorte quando acontece.
Pois temos certeza que estamos vivendo, e não apenas passando pela vida.
A maternidade também me deu esse presente, de revelar quem é quem na minha vida.Já ouvi muito "você era mais legal quando você bebia".
Já disse não a muito convite, e já deixei de ser convidada muitas vezes. Magoar, magoa, mas serviu pra que eu pudesse reconhecer quem realmente se importava comigo.
Então não fique triste por não estar em um momento "balada" aproveite pra fazer novas amizades, pessoas com as mesmas perspectivas de vida que você, é o que eu estou fazendo!
E tem sido muito bom!